Cadastre-se
Esqueceu a senha?
Entrar
Seu Balcão e a Síndrome de Gabriela
18 Maio 2017
WhatsApp Facebook Twitter LinkedIn Send
A - A +
Enviar por E-mailX

Você pode enviar este conteúdo para até três amigo(a)s ao mesmo tempo.

+ 1 Amigo(a)
+ 1 Amigo(a)
Enviar Conteúdo
Artigo Nice Garcia / Técnica em Óptica e Coaching em Óptica
Data:
Cidade:
"Revolução significa Girar a Roda"
Igor Stravinsky

"A maioria dos homens prefere morrer ao ter de pensar.
E muitos morrem."
Bertand Russell

Bora lá, antes de voltarmos com garra total em Neuromarketing, vamos a algo muito comum em todos os meios profissionais, e inegavelmente prejudicial a qualquer crescimento. A Infeliz síndrome de Gabriela: "eu nasci assim, eu cresci assim... Gabriela?. 

Alias, entrando no mérito musical, tanto o "Deixa a vida me Levar", quanto a Gabriela, andam presentes em diversos balcões por aí. E o ditado popular "em time que está ganhando não se mexe". São frases, que escuto constantemente de Vendedores, para se segurarem em um comodismo torpe e equivocado, em um segmento tão dinâmico como é a Óptica.

A resistência ao novo, resistência essa causada pela crise, pelo receio de perderem seus empregos, muitos vendedores, que poderiam ser mais se limitam ao básico, se apoiando na desculpa: ao menos vendi e não perdi o cliente.

Em todos os artigos que tenho escrito, venho buscando incentivar quem está atrás do balcão de ótica, a dar o seu melhor, e não irei negar me surpreendo negativamente com esse comportamento de alguns vendedores. Em contrapartida não irei deixar de enaltecer aqueles que são exemplos que realmente demonstram verdadeiro amor pelo que fazem, e superam suas metas com a primazia de veteranos em óptica, mesmo sendo iniciantes, neste nosso ramo que tem crescido a cada dia. 

Mas, vamos voltar ao tópico proposto, ninguém cresce sem mudar, nada é tão bom que não possa melhorar. Quando alteramos nossa freqüência mental conseguimos ir mais longe, quando digo mudar a freqüência mental, parto um pouco para a área da neurociência, existem crenças que limitam o crescimento profissional, onde o mesmo se coloca em uma zona de conforto, onde não aceita absolutamente nada que o ameace, ou seja, o menor vento de mudança o coloca em um pânico desmedido, que a inicio pode parecer inofensivo, mas altamente maléfico ao desenvolvimento não apenas do profissional como dos que o cercam, e óbvio acabará em alguns meses refletindo em resultados inexpressivos para a empresa que possua tal funcionário. E há uma máxima que é muito real, um funcionário desmotivado tende a contaminar seus colegas, um funcionário que se apegou a zona de conforto, tende a arrastar os demais para o mesmo patamar onde ele está.

Concordo que mudar é difícil, sair da zona de conforto também, senão não possuiria esse nome, mas é inevitável, se não quiser estagnar. E há como reverter esse quadro sem causar um turnover na empresa? Sim.
Muitas vezes a solução pode ser mais simples do que presumimos. Primeiramente, detectar o porquê o mesmo tem tanto medo da mudança, o que o faz se sentir ameaçado, e a parti desse ponto começar a ilustrar os benefícios da mudança, e não é uma tarefa fácil, a menos que você conheça princípios de coaching, e caso não os tenha seja persuasivo e meticuloso, afinal está lhe dando com a psique de seu colega de trabalho, mas é primordial que o funcionário em questão aceite quem o instrui sobre a mudança. 

Planos de incentivo direto de adesão a alteração que a empresa propõe seja esse financeiro ou motivacional. Agora, o pior é quando a síndrome de Gabriela, não é derivada de uma crença limitante, mas da arrogância de acreditar que é plenamente detentor da verdade, ai caro leitor, digo que vendedor que sabe tudo, se restringe a nunca ser um profissional de excelência. Porque o mesmo se limita a enxergar sua plena sabedoria, e se nega a ver que a cada dia o mercado está mais agressivo e mais do que nunca se faz necessária à disposição em aprender, aprender com os próprios erros e com os erros dos outros, se faz necessário primar pela excelência de ver a real necessidade do cliente e ir além do que conhece até agora. Posso afirmar que recentemente tive o privilégio de conhecer profissionais com mais de 50 anos de óptica, que estão abertos, ávidos e  dispostos a inovar,  assim como tive o infortúnio de conhecer profissionais com meses de óptica, fechados em sabedoria plena e absolutamente vã, que negam se a pensar fora da recente "casinha de conhecimento? que adquiriram.

Invista em conhecer, invista em inovar, quebre seus próprios paradigmas nenhum de nós é detentor de conhecimento tal, que não possa ser aprimorado. Se você caro leitor é consultor, invista em si mesmo, em crescer e se superar, permita-se surpreender-se consigo, se é empresário, invista em que sua equipe não possua receio de mudanças para o crescimento de sua empresa, e invista em conhecimento, consultor preparado é certeza de lucro. Leve-os as feiras ópticas, aos eventos do setor e incentive-os a serem questionadores, porque é no inconformismo, que mora a saída da zona de conforto.

E então, bora chutar receios para longe de sua óptica? Bora reverter o quadro?

Próximo artigo, que prometo que será em breve, tornará a abordar e finalizar o quesito Neuromarketing.

Nice Garcia
Técnica em Óptica e Coaching em Óptica
"Reposicionando Mindsets Ópticos?
Entusiasta e Apaixonada por Óptica
nicegarciastos@hotmail.com
Fonte: Nice Garcia

Comentar esta matéria

Comentários

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.

Enviar Comentário