Entrar Cadastre-se
Esqueceu a senha?
Entrar
Coronavírus e a saúde visual
6 Fevereiro 2020  | Seção: Colunas & Artigos  |  Categoria: Olhos
A - A +
Enviar por E-mailX

Você pode enviar este conteúdo para até três amigo(a)s ao mesmo tempo.

+ 1 Amigo(a)

+ 1 Amigo(a)

Enviar Conteúdo
O vírus corona, provocam alterações importantes na saúde visual e ocular, e deve ser observado pelo optometrista.
Data:
Cidade:

SONODA, R. PANICO,K

Professores OWP Educação - Weducar

 Artigo Corona

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os coronavírus são o maior grupo de vírus de RNA conhecidos, possuindo uma extensa gama de hospedeiros naturais.Nas últimas décadas, os vírus recém-desenvolvidos representaram uma ameaça global à saúde pública1

O surgimento docoronavírus nasíndrome respiratória do Oriente Médio(MERS-CoV) em setembro de 2012 na Arábia Saudita atraiu a atenção da comunidade mundial de saúde2

Em tempos de globalização uma infecção viral é passível de tornar-se uma pandemia. Esse vírus chinês (coronavirus) que faz vítimas a cada dia voa de forma literal para o Brasil.

Sua classificação pela ANVISA, abrange 3 grandes grupos, a mutação 2019-CoV, faz parte do grupo vírus SARS-CoV e MERS-CoV (ambos de síndrome respiratória já conhecidos).

Iniciando em meados de 1990, experimentos buscam estabelecer a correlação entre a presença do vírus e consequências oculares.

Em 2017, o Ministério da Saúde da Arábia Saudita lançou umsistema detriagemvisualcom pontuação para alertar os profissionais de saúde nos departamentos de emergência e unidades de hemodiálise da possibilidade de ocorrência de infecção por MERS-CoV.2

Experimentos laboratoriais mostraram que na presença do vírus, animais desenvolvem vasculite da retina de forma bifásica, podendo ser aguda nos mais suscetíveis, entre os 1° e 7° dias após infecção, seguida por degeneração retiniana, de fase crônica ou tardia entre 10 e 140 dias 3.Já os animais resistentes à degeneração da retina não desenvolvem a fase tardia 4.

Além disso, a presença de uma proteína sub retiniana leva a desordens e alterações nos receptores do tecido retiniano, provocando um processo auto imune que leva a vasculite e neo vascularização.5

Vasculite

Vasculite.(Medcel,____)

 

Esses processos inflamatórios retinianos levam à perda de acuidade visual e considera-se uma das principais causas de cegueira, pois o EPR (epitélio pigmentar da retina) é rico em citocinas inflamatórias, como o IFN (intérferon) que leva ao crescimento vascular no EPR e na neuroretina.6

Todos os modelos experimentais demonstram que a retinopatia decorrente da infecção por coronavirus, se apresenta especialmente na camada plexiforme externa - fotorreceptores e a camada ganglionar.7

Levando-se em conta os dados experimentais e considerando a infecção sistêmica é possível notar também, preciptados ceráticos e alterações no endotélio da córnea.

Diante do exposto, há cada vez mais a necessidade do optometrista avaliar de forma minuciosa a retina, bem como ponderar sobre as alterações de acuidade visual repentinas, associando aos diversos sintomas que o portador da infecção apresenta sempre correlacionando os dados para a conduta adequada.

.

 

 

 

 

Rodrigo Sonoda

Docente Coordenador OWP Educação – Weducar

Graduado em Óptica e Optometria (UBC)

Pós Graduando em estudos de Oftalmologia(UniBF)

professor@rodrigosonoda.com.br

 

 

Dra. Karine Panico

Docente OWP Educação - Weducar

Mestre e Doutora em Biosistemas

Pós Doutora em Biossistemas (UFABC)

 

 

Referências

 
1LI, G et al. Coronavirus infections and immune responses. J med Virol. 2020. jan 25. 
 

ALFARAJ, SH et al.  Evaluation of visual triage for screening of Middle East respiratory syndrome coronavirus patients. New Microbes New Infect. 2018 Nov; 26: 49–52.

 
3 KOMURASAKI, Y, et al. Virus RNA Persists within the Retina in Coronavirus-Induced Retinopathy. Virology Journal, Vol.222August 1996, 446-450p.


4 CHIN, MS et al. Identification of ?-fodrin as an autoantigen in experimental coronavirus retinopaty (ECOR). J Neuroimmunol. 2014 Jul 15;272(1-2):42-50.

5 HOOPER, L. et al. Retinal degeneration in experimental coronavirus retinopathy (ECOR) is associated with increased TNF-?, soluble TNFR2 and altered TNF-? signaling. Journal of Neuroimmunology, Vol 166, setember 2005. 65-74P.

6 VINORES, S. et al. Blood–retinal barrier breakdown in experimental coronavirus retinopathy: association with viral antigen, inflammation, and VEGF in sensitive and resistant strains. VOLUME 119, ISSUE 2, P175-182, OCTOBER 01, 2001.

7 DETRICK,B. et al. Experimental coronavirus retinopathy (ECOR): Retinal degeneration susceptible mice have an augmented interferon and chemokine (CXCL9, CXCL10) response early after virus infection. Journal iu Neuroimmunology, Vol. 193, Jan.2008.

Comentários X

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.
Enviar Comentário
Analytics